Educação: Uma questão de Amor

       Educar é um ato que vai além do desenvolvimento intelectual, ou de preparar um indivíduo para ocupar um lugar no mundo que esteja dentro dos moldes morais na família e na sociedade, ou ainda desenvolver potenciais para que este mesmo individuo desenvolva capacidades profissionais que lhe proporcionarão a possibilidade de conduzir a própria vida do ponto de vista econômico, produzindo e consumindo bens e serviços, Educar é um ato de Amor que visa proporcionar ao indivíduo todas as possibilidades de ter uma vida plena dentro de seus reais potenciais e limitações, desenvolvendo a capacidade de gerenciar suas emoções, despertar um nível de consciência elevado sobre si e o outro, Educar é libertar para que o outro seja verdadeiramente livre para torná-se um Ser Humano na sua essência.

       Nos dias atuais ouvimos com grande frequência reclamações de pais, cuidadores e professores, sobre como está difícil educar nossas crianças e adolescentes, nesta mesma direção cresce de maneira preocupante os diagnósticos de TRANSTORNO DO DÉFICIT DEATENÇÃO E HIPERATIVIDADE, estima-se que de 3 a 6% das crianças na fase escolar apresentam este diagnóstico, que considero abusivo, pois em tempos líquidos como diria Zigmund Bauman, há uma tentativa de se homogeneizar o ser humano, para que seja apenas um produtor e consumidor, deixando de lado os aspectos fundamentais que distingue o homem das demais formas de vida, qual seja a capacidade de ser especialmente diferente uns dos outros em vários aspectos, e isso é fundamental para nosso desenvolvimento, portanto há uma industria de rótulos que visam desqualificar as diferenças para se vender a cura.

       O processo da educação começa antes mesmo da concepção, pois conceber uma vida requer um desejo consciente, numa relação de harmonia entre os pais, conhecimento dos desafios, e prazeres que ter um filho proporcionarão e sobretudo a responsabilidade que estes pais terão no desenvolvimento deste indivíduo que será gerado, segundo Platão: Não deverão gerar filhos quem não quer dar-se ao trabalho de criá-los e educá-los.

       Estudos revelam que já no início da gestação o feto começa a ser afetado pelas emoções e comportamentos da mãe, bem como pelo ambiente externo, portanto a mãe deverá estar cercada de todos os cuidados e estimulada para uma gestação consciente, num ambiente harmonioso a mãe deve ter hábitos saudáveis como uma boa alimentação, afastar-se de produtos nocivos à saúde, tais como o cigarro, o álcool, drogas ilícitas, dentre outros, devendo ainda fazer uso de boas leituras, ouvir boa música, as clássicas são as mais indicadas, manter conversas e pensamentos edificantes e tudo o mais que possa colaborar para que este filho se desenvolva saudável e dentro das expectativas dos pais e assim possa se tornar um adulto equilibrado e habilitado para cumprir sua jornada com a grandiosidade que se espera de um ser humano.

       Podemos determinar como papel fundamental dos pais a educação dos filhos com plena atenção em aspectos que irão proporcionar a possibilidade do desenvolvimento de seus filhos dentro das melhores espectativa,assim podemos priorizar emas como valores morais e éticos que permeiam as relações familiares e sociais, valores espirituais independente de qualquer religião, mas com o propósito de levar a criança a um nível de consciência elevado de que a vida não se resume somente aos aspectos das conquistas materiais,  outro aspecto importante que vale destacar é que a melhor forma dos pais educarem seus filhos é através do exemplo, o discurso logo se esvai,  desta forma valores como gratidão, perdão, cidadania, responsabilidade, competências emocionais e racionais, resiliência, disciplina, limites, dentre outros.

       Na educação as palavras tem grande poder, portanto as palavras ditas pelos pais tem grande influência e serão determinantes tanto para o bem quanto para o mal no desenvolvimento e para o futuro da criança, palavras como: voce não vai ser nada na vida, voce veio para atormentar minha vida, seu primo é muito melhor que voce, homem não chora, voce faz tudo errado e o rol é interminável e extremamente marcante, desta forma os pais devem desenvolver habilidades como paciência, compreenção, amorosidade, firmeza na hora de colocar limites com as devidas explicações, não julgar pelo erro, mas mostrar o erro e de que forma pode ser feito, qual seja ensinar, não comparar, estimular jogos, brincadeiras e leituras que despertem habilidades intelectuais e emocionais, fazer com que a criança sinta que pode contar sempre com os pais na proteção, nos ensinamentos e nos limites que a vida exige, tais orientações devem ser observadas por todos aqueles que participarão de alguma maneira na educação das crianças como os avós e demais parentes, os educadores e até mesmo profissionais da saúde.

“É na educação dos filhos que se revelam as virtudes dos pais.” (Coelho Neto)

       Não é mais possível pensar a Educação Escolar como meramente formadora de conhecimentos objetivos, pois em tempos em que o mundo vem passando por transformações profundas não podem ser ignoradas no processo educativo, questões como tecnologias que abriram um grande leque de possibilidades, novos conhecimentos e formas de comunicação, bem como questões culturais, questões de gênero, raça, manifestações religiosas, novas configurações familiares,  diferentes cenários sociais que em uma ponta está a exclusão social que gera violência e miséria, na outra ponta temos a concentração da metade de toda riqueza do país concentrada na mão de apenas 10% da população.

       O impacto desta nova realidade que se nomeia de pós-modernidade, multiculturalismo, globalização e outros termos que vão surgindo não pode ser mais ignorado, pois é nítido o cenário que permeia grande parte das Escolas, principalmente de primeiro e segundo graus, onde a violência e conflitos de toda ordem fazem parte do cotidiano destas Instituições, gerando incertezas e sentimentos de incapacidade e medo, ao invés de formar cidadão conscientes, capazes de desenvolver seus potenciais pessoais, livres e conscientes para questionar o mundo e fazer escolhas responsáveis.

       Nesta nova ordem precisamos de Educadores cada vez mais conscientes de seu relevante papel na formação de nossas crianças e jovens, para tanto é preciso que estes educadores recebam todo respeito e respaldo da sociedade, que tenham sua remuneração justa e adequada pelo fundamental papel que desempenham, que tenham uma formação de alta qualidade e livre de qualquer ideologia e que encontrem dentro da sala de aulas o ambiente adequado com número de alunos condizente para o bom desempenho, horas aula que não sobre-carregue o professor e que os pais sejam chamados para serem mais efetivos e participativos neste processo.

“É no problema da educação que assenta o grande segredo do aperfeiçoamento da humanidade” (Immanuel Kant)

       Se desejamos uma sociedade livre das injustiças e discrepâncias entre as camadas sociais, livre das ideologias manipulador as que visam manter o status quo que privilegia o topo da pirâmide social, muitas vezes mantida pela corrupção, impunidade e ignorância da base da pirâmide, então o único e legítimo caminho é a Educação, estruturada em bases sólidas, tendo como pilar principal o Amor no sentido mais amplo desta palavra, qual seja, reconhecer em cada indivíduo o direito a vida plena, sem distinções, respeitando-se as diferentes formas de existir, possibilitando que cada um possa desenvolver seus potenciais com igualdade de condições para que possa ter uma vida pautada pela liberdade e responsabilidade dentro das regras que organizam a sociedade, para que isso aconteça precisamos ter pais informados , educadores conscientes e o Estado responsável.

“O amor é o eterno fundamento da educação” (Pestalozzi)

       Para ilustrar o papel da Educação na formação plena de um ser humano, despertando suas vocações e a consciência de significados profundos para a vida tendo como instrumento a Educação pautada pelo Amor, recomendo o livro: Memórias de uma Professora, de autoria de Vitoria Augusta de Albuquerque. A autora narra sua trajetória como Educadora em contos singelos e emocionantes, que retratam suas experiência na arte de Educar, enfrentando grandes adversidades, porem sem nunca perder a consciência de seu relevante papel na vida de seus alunos, que hoje já adultos, alguns já a reencontraram e relatam sua gratidão pelo que receberam desta educadora que foi fundamental para o que são hoje.

PAULO SERGIO GRANDI

Psicólogo Clínico – Especialista em Família e Casais

e-mail: paulo.grandi@yahoo.com.br